NUTRIENTES QUE PODEM EVITAR O CÂNCER HUMANO

Paulo Cesar Naoum

Introdução Os efeitos orgânicos mais comuns em pessoas com câncer são o emagrecimento e o desconforto em se alimentar. O emagrecimento se deve notadamente às contínuas divisões das células tumorais, que ocorrem num grau muito rápido quando comparado com as células normais. As constantes divisões das células tumorais desequilibram os metabolismos celulares de proteínas, enzimas, carboidratos e gorduras, consumindo as ofertas propiciadas pelo organismo com imensa avidez. Devido ao aumento do nível metabólico das células tumorais e de seus consumos excessivos de glicose e colesterol, principalmente, as células normais, por sua vez, têm dificuldades em se manterem em quantidades suficientes na composição de tecidos e órgãos, bem como para efetuar suas funções básicas. Por essa razão, é comum que o primeiro tecido afetado seja o adiposo, promovendo o emagrecimento na maioria das pessoas com câncer, notadamente naquelas acometidas por metástases. Entretanto, outros problemas de mal funcionamento orgânico se somam aos acima citados e que ocorrem durante e após os tratamentos de quimioterapia. Destacam-se, assim, a falta de apetite, enjoo, dores ao mastigar e engolir alimentos, e febre constante, fatos que, isolados ou combinados, prejudicam a alimentação. Os impactos fisiológicos da quimioterapia atingem não só as células tumorais, mas também podem destruir as células normais das mucosas do trato digestivo, os leucócitos que participam do sistema de defesa imunológica e, também, as plaquetas que atuam para impedir sangramentos espontâneos ou induzidos. Todas essas modificações celulares que ocorrem cumulativamente ao longo de semanas ou meses, afetam direta ou indiretamente a nutrição das pessoas com câncer. Por exemplo, nas mucosas, principalmente as da boca e garganta, por onde passam grandes contingentes de bactérias existentes na água, ar e alimentos permitem a fixação de colônias bacterianas, que podem dar início a processos de lesões teciduais. Com a queda numérica de leucócitos provocada pela quimioterapia ocorrem o enfraquecimento das defesas imunológicas, permitindo, dessa forma, que bactérias não patogênicas acumuladas nas mucosas, produzam focos infecciosos capazes de causarem feridas dolorosas que se manifestam durante o ato alimentar. Em situações extremas, as lesões infeciosas das mucosas induzem o sangramento devido à deficiência numérica de plaquetas, também provocada pelos efeitos da quimioterapia. As patologias advindas da plaquetopenia são abrangentes, pois os contínuos sangramentos de mucosa ou nas regiões abrangidas por tumores causam a perda expressiva de eritrócitos e, consequentemente, de ferro. A perda contínua de ferro, importante componente da hemoglobina, propicia o surgimento da anemia ferropriva com variáveis graus de intensidade (1,2). Os produtos de degradação da quimioterapia também são tóxicos principalmente para o fígado, prejudicando o metabolismo de vários componentes alimentares, notadamente daqueles provenientes de alimentos gordurosos. Portanto, a alimentação para as pessoas com câncer deve ser especial e deve ter orientações médicas e nutricionais especializadas (3). Por todas as razões acima expostas há dois tipos de questionamentos: – Quais nutrientes contribuem para indução de câncer? – Quais nutrientes contribuem para evitar o câncer ou minimizar seus efeitos?

Nutrientes que contribuem para a indução de câncer
Tem sido demonstrado cientificamente que as influências ambientais e hábitos pessoais têm fortes relações com a formação das células tumorais, cuja evolução tumoral, que ocorre de forma lenta e cumulativa, é responsável pela causa de aproximadamente 90% de todos os tipos de câncer. Os 10% restantes dos cânceres estão igualmente divididos em causas hereditárias e deficiências constitucionais da própria pessoa, destacando-se entre esta última a deficiência imunológica crônica. A influência ambiental e os hábitos pessoais como causas de câncer é conhecida por “epigenética do câncer”. Entre essas causas destacamse os produtos químicos, físicos ou biológicos, quer sejam provenientes do ambiente ou dos hábitos pessoais. O acúmulo no organismo desses produtos se tornam tóxicos e podem causar o descontrole das atividades de importantes moléculas das células. Entre as moléculas envolvidas na gênese de células tumorais destacam-se as que participam da sinalização celular, as que agrupam os filamentos de DNA (histonas) e as que protegem os cromossomos (telômeros). Portanto, com base nesses conhecimentos, várias pesquisas (3,4,5) demonstraram que as principais causas indutoras de tumores malignos se devem a:
– gorduras trans e saturadas, e nitrosaminas, envolvidas em 35% dos tumores;
– ácido carbólico do fumo, relacionado com 30% dos tumores;
– obesidade, que induz ao desgaste continuo do sistema imunológico, causa 15% dos tumores;
– agentes biológicos (vírus e bactérias, principalmente), associado com 15% dos tumores;
– radiações e poluentes ambientais, envolvido em 5% dos tumores.
Para exemplificar os efeitos nutricionais provenientes de alimentos não saudáveis, destacamos o exemplo de suas interferências moleculares nas histonas. Como se sabe, as histonas agrupam os filamentos de DNA como se fossem casulos moleculares, compondo o que se denomina por cromatina nuclear. Os compostos químicos tóxicos provenientes de gorduras trans, do fumo, do álcool, de poluentes ambientais, de determinados tipos de vírus e bactérias, e dos átomos das radiações, entre outros, percorrem um longo caminho celular até atingirem as histonas. Inicialmente, é necessário que receptores de membrana citoplasmática se liguem aos produtos tóxicos e os introduzam nas células. Em seguida, esses produtos tem de atravessar o citoplasma e se defenderem dos ataques das enzimas protetoras das células contaminadas. Vencidas essas etapas, os produtos tem que entrar em contato com receptores de membrana nuclear para que sejam introduzidos no interior dos núcleos celulares e, por fim, atacar as histonas. Portanto, trata-se de um imenso esforço biológico de produtos tóxicos invasores e que precisam vencer barreiras até atingirem uma ou mais organelas das células contaminadas. Para que células normais se transformem em tumorais por meio dessas agressões tóxicas é preciso saturar milhões de células, continuamente, por vários anos, até que todas as coincidências químicas acima mencionadas ocorram. As principais formas de toxicidade de alimentos não saudáveis decorrem de reações químicas que liberam excessiva concentrações de fosfatos, de radicais metil e de radicais acetil. O contínuo acúmulo de fosfatos ao atingir as estruturas moleculares das histonas, por exemplo, provocam a fosforilação de suas moléculas, com efeitos deletérios nas células atingidas. O principal resultado dessa contaminação epigenética é a incapacidade dos genes envolvidos em reparos de DNA em realizar o “conserto biológico” de moléculas celulares que foram atingidas. Como consequência, as células que sofreram uma mutação inicial e que foram afetadas pela fosforilação das histonas, ficam incapazes de se recuperarem, e seguem em suas sequências mutacionais até originarem a célula tumoral inicial ou primária. Estas células funcionam como células tronco tumorais, que geralmente evoluem para a formação do tumor primário. O excesso de radicais metil, por sua vez, causa a metilação das bases nitrogenadas de citosinas, tornando-as ineficientes em suas funções. Caso essas bases nitrogenadas atingidas pela metilação estejam, por exemplo, no DNA de genes supressores de tumores, as células tumorais iniciais ou primárias, ficam incapazes de se auto-destruirem, fenômeno biológico conhecido por apoptose tumoral. Como consequência dessa incapacidade, as células tumorais iniciais ou primárias se tornam imortais, com possibilidades de sofrerem mutações seguidas, ou “mutações em cima de mutações”. A evolução desse tumor primário produz células tumorais especializadas em efetuar mobilidades e a produção de novos vasos sanguíneos (neoangiogênese). A partir dessa fase, o tumor passa a distribuir células tumorais para outros órgãos, configurando a metástase tumoral. Por fim, a excessiva oferta de radicais acetil, ou acetilação, provenientes da toxicidade adquirida do meio ambiente ou de hábitos pessoais, retiram as cargas positivas dos aminoácidos lisina que compõe as histonas. Como resultado dessa alteração química, a ligação histona-DNA fica enfraquecida, fato que desequilibra a ação de transcrição RNAm-DNA. O RNAm descontrolado copia o DNA inúmeras vezes, produzindo mais proteínas que o necessário. Se o gene afetado for aquele que está relacionado com a estimulação da divisão celular, a célula se divide indefinidamente, causando a formação de tumor primário (4,5).

As gorduras tóxicas e seus efeitos deletérios ao organismo
As gorduras tóxicas são as saturadas e as trans. As saturadas estão presentes na carne vermelha, manteiga de leite, queijo branco não industrializado e sorvetes, enquanto que as trans estão presentes nas margarinas, batatas chips, maionese, ketchups e frituras. Esses tipos de gorduras são ricamente hidrogenadas e o excesso de hidrogênio desequilibra a ação antioxidante das células, favorecendo a ação dos radicais livres oxidativos. Os radicais livres, além de danificar as membranas das células de todo o organismo, podem, também, causar lesões nas moléculas de histonas, alterando a ação de um ou mais genes. O consumo contínuo de gorduras trans e saturadas pode, ao longo do tempo, atingir indiretamente genes importantes como, por exemplo, os que controlam a divisão celular, a supressão de tumores ou o reparo de DNA. Essas lesões não provocam mutações nos genes, mas alteram suas atividades funcionais, inibindo-os ou estimulando-os. Ao ocorrer esses tipos de lesões é possível que células normais possam se transformar em células tumorais. Esses efeitos provenientes de hábitos alimentares não saudáveis podem ser potencializados quando a pessoa tem baixo teor de defesa antioxidante em suas células. Dessa forma, quando a toxicidade celular se torna crônica e cumulativa, as moléculas de DNA são atingidas direta ou indiretamente, podendo, assim, modificar completamente as atividades biológicas dos genes das quais fazem parte. Os tumores malignos mais comuns resultantes do ataque tóxico das gorduras trans e saturadas ocorrem no intestino grosso, mama e próstata, principalmente (2,5).

As nitrosaminas e seus efeitos deletérios ao organismo
Os nitritos e nitratos estão presentes nas águas não tratadas e nas contaminadas, em conservantes de comidas, em alimentos embutidos ou enlatados, e no sal grosso. O excesso dessas substâncias se acumula nas células e nos tecidos, e se tornam radicais livres oxidantes representados quimicamente por NOx (NO, NO2, e NO3). A elevação da concentração desses radicais livres impede que as células realizem suas atividades adequadamente. Por se tratar de agressões tóxicas contínuas, especialmente contra o trato gastrointestinal, o câncer gástrico é o que está mais relacionado com o acúmulo de nitrosaminas (2,6,7).

Alimentos defumados e seus efeitos deletérios ao organismo
A defumação altera a estrutura química dos alimentos submetidos a esse processo de conservação por reter a gordura no alimento defumado, produzindo odor e sabor agradáveis. Por essa razão o alimento defumado contém alto teor de substâncias aromáticas policíclicas, que se rompem durante a defumação e liberam produtos químicos capazes de se comporem com segmentos de DNA das células que foram intoxicadas, alterando suas estruturas. Esse fato causa alterações nos genes das moléculas de DNA afetadas, induzindo que células normais se transformam em células anormais, com possibilidades de se tornarem tumorais. Os consumidores de alimentos defumados apresentam aumento da incidência de tumores malignos no estômago e intestino grosso (8).

Corantes de alimentos e seus efeitos deletérios ao organismo
São usados para produzirem aspectos atrativos em doces, balas, biscoitos, refrigerantes, manteigas, queijos, alimentos embutidos, sorvetes, etc. Felizmente nem todos os corantes tem potencial cancerígeno. Os mais perigosos como o amarelo manteiga e o vermelho escarlate têm alto potencial para causar danos às estruturas moleculares que envolvem o DNA, como as histonas e os telômeros, potencializando transformações de células normais em células tumorais. Por essas razões, seu uso na composição de alimentos tem sido desaconselhado pelas agências de controle de produção de alimentos. No entanto, sua relação direta com o câncer ainda é desconhecida (4).

Agrotóxicos e seus efeitos deletérios ao organismo
Os inseticidas, fungicidas e herbicidas são compostos químicos usados na lavoura para protege-la contra insetos, fungos e ervas daninhas, mas sua toxicidade ao se tornar cumulativa passa a ser lesiva às células do organismo humano e de outras espécies animais que consomem os produtos vegetais contaminados. Nesses casos, os órgãos produtores de sangue (medula óssea e linfonodos) e o pulmão, são os mais afetados. O glicofosfato, por exemplo, desenvolvido para matar ervas daninhas ou perenes, tem sido associado com o aparecimento de linfomas não-Hodgkin e mieloma múltiplo em trabalhadores rurais. Enquanto que o carbofurano, usado como inseticida, tem em sua composição o metil carbamato de benzofuralina cuja alta toxicidade tem sido relacionada com câncer de pulmão em pessoas que o manipulam (9).

Nutrientes que contribuem para evitar o câncer ou minimizar os efeitos do câncer
Basicamente três grupos de nutrientes estão relacionados com a qualidade da saúde e, consequentemente, podem desempenhar importantes funções na prevenção de doenças, entre elas o câncer. São os nutrientes que contém fibras, vitamina A e selênio.

Fibras
Tem recomendação nutricional na prevenção do câncer do intestino grosso, além de promover com melhor eficiência as funções digestivas. Os alimentos ricos em fibras são os legumes, verduras e frutas. Atualmente, muitos alimentos industrializados têm fibras adicionadas às suas composições. As fibras agem diluindo os esteroides fecais resultantes da decomposição de gorduras. Como absorvem água, as fibras aumentam o bolo fecal e, consequentemente, diminuem o tempo de trânsito no intestino, pois o bolo fecal aumentado torna os movimentos intestinais mais fortes, expelindo-o com maior rapidez. Esse processo, além de dar maior conforto digestivo, contribui para eliminar os esteroides fecais da mucosa intestinal. Os esteroides fecais, acumulados por longos períodos, como o que ocorre no intestino “preso”, por exemplo, podem sofrer oxidações e outras alterações químicas, tornando-se potencialmente agressivos às células intestinais. Essa agressividade é química, capaz de causar danos às moléculas de DNA, afetando a qualidade fisiológica de importantes genes, por exemplo, aqueles relacionados com a divisão celular, diferenciação celular, etc. Nessas situações, é possível que células afetadas continuamente, podem se tornar tumorais e induzir o aparecimento, por exemplo, do câncer intestinal (10).

Vitamina A
Tem indicação nutricional para dar elasticidade ao tecido conjuntivo dérmico e na conservação das células epiteliais, principalmente da pele. Por essa razão, a vitamina A atua no controle da regeneração das células epiteliais, contribuindo organicamente para inibir o aparecimento de câncer epitelial. É importante destacar que apesar da deficiência crônica de vitamina A estar relacionada com câncer epitelial, o excesso dessa vitamina (hipervitaminose A) proveniente do uso continuado de medicamentos que as contém, pode ser tóxico ao organismo causando náuseas, perda de peso, vômitos, dores articulares, desidratação das mucosas, etc. Os alimentos ricos em vitamina A são cenoura, abóbora, fígado, espinafre, melão, batata-doce, brócolis, manga, pêssego, beterraba, lentilha, banana, melancia e caqui (11).

Selênio
Está presente em inúmeros alimentos, como frutos do mar, víscera, alho, cebola, milho, cereais integrais, cogumelo e castanha do Pará. Atua quimicamente auxiliando as reações que tornam efetivos os mecanismos biológicos de reparo de lesões mutacionais sofridas pelo DNA e, também, tem efeito antioxidante para as células, protegendo-as das oxidações muitas vezes tóxicas (12).

Alimentos com propriedades antitumorais
São apresentados, a seguir, alguns dos principais alimentos destacando-se os principais nutrientes que têm propriedades biológicas para a proteção das células, incluindo as que se caracterizam com antitumorais e as que atuam contra o excesso de radicais livres. Para todos os alimentos são descritos as ações naturais de proteção ao organismo e as ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia.

1 – Couve, couve-flor, repolho e brócolis
Ações naturais de proteção ao organismo: têm funções antibacterianas, além de serem ricas em cálcio, ferro, folatos, fibras, vitamina C, beta caroteno, potássio e selênio. A vitamina C, principalmente, atua contra o excesso de radicais livres que são liberados pelas células tumorais, minimizando seus efeitos patológicos nos tecidos afetados. O brócolis, por sua vez, é rico em sulforafano, produto fitoquímico que participa na estimulação de síntese das células do sistema de defesas imunológicas, notadamente dos linfócitos (13). Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: esses dois procedimentos terapêuticos, ao matarem as células tumorais, fazem com que essas liberem excessiva quantidade de radicais livres para o organismo. Os radicais livres, por sua vez, atacam as células normais destruindo-as e alterando as funções de tecidos e órgãos atingidos. A vitamina C, como já foi descrito, atua na proteção contra os radicais livres que desequilibram o metabolismo que ocorre no citoplasma das células afetadas. Por outro lado, os alimentos acima mencionados induzem o fígado a sintetizar a enzima CYP1A2 que passa a transformar os produtos tóxicos provenientes da quimioterapia e da radioterapia (átomos de oxigênio, carbono, hidrogênio e nitrogênio) em substâncias úteis ao organismo afetado (14).

2 – Cebola, cebolinha, alho e manjericão
Ações naturais de proteção ao organismo: esses alimentos são ricos em di e trisulfatos, compostos químicos com várias e importantes ações biológicas de proteção ao organismo, com destaques para:
a) ações antimicrobianas contra bactérias, fungos e vírus. Como se sabe, alguns tipos de bactérias, por exemplo, a Helicobacter pylori, e de vírus, como são os casos de HTLV1, HPV, EBV, entre outros, tem potencial na indução de descontrole celular e indução à formação de tumores malignos primários; b) elevação do componente HDL-colesterol das lipoproteínas, atuando, portanto, na prevenção de doenças cardiovasculares;
c) inibição da agregação de plaquetas na circulação sanguínea e, portanto, previne contra a formação de trombos e trombose. Entretanto, as ações protetivas dos componentes químicos di e tri-sulfatos na prevenção ao câncer se deve ao fato de que ao inibir a agregação de plaquetas, impede, também, a circulação de células tumorais circulantes que se escondem” entre os agregados de plaquetas, situação que se caracteriza como uma das principais formas de desencadear as metástases. Foi demonstrado cientificamente que as células tumorais ao “se esconderem” entre as plaquetas, fazem com que o sistema imunológico relacionados com a defesa do nosso organismo tenha dificuldade em eliminar as células tumorais circulantes (5,15).
d) os componentes sulfatados desses alimentos regulam o citocromo P45Os, uma enzima importante que atua na desintoxicação de gorduras trans e saturadas, além das nitrosaminas (16).

Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: as pessoas submetidas a esses procedimentos terapêuticos são afetadas pelas toxicidades química e radioativa, situações que prejudicam o equilíbrio de suas defesas imunológicas. O uso dos alimentos acima mencionados, notadamente o alho, pelo fato de inibirem a agregação das plaquetas na circulação, minimizam esses efeitos deletérios pois promovem maior fluidez à circulação sanguínea, possibilitando a comunicação entre as células que atuam na defesa imunológica e, consequentemente, auxiliam na eliminação das células tumorais (5).

3 – Frutas cítricas: abacaxi, acerola, caju, limão, laranja, lima, cidra e tangerina
Ações naturais de proteção ao organismo provenientes da casca: a casca das frutas cítricas tem uma substância conhecida por terpenóides ou terpenos, que protegem as frutas contra os insetos. No ser humano os terpenóides tem ação antioxidante e atuam contra a oxidação do LDL-colesterol. Ao se tornar oxidado a estrutura molecular do LDL-colesterol se cristaliza e o acúmulo desses cristais no sangue forma as placas de ateroma e causa a aterosclerose. Em relação aos seus benefícios no câncer, os terpenóides interferem em várias vias da sinalização celular tumoral, inibindo a proliferação dessas células e a metástase (17).
Ações naturais de proteção ao organismo provenientes da polpa: a polpa das frutas cítricas são ricas em flavonoides, com intensa ação antioxidante. Sua ação nas células do organismo humano é dirigida para induzir a morte celular (apoptose) quando elas se tornam repletas de espécies ativadas de oxigênio ou radicais livres, situação comum quando células normais se tornam tumorais. A dieta diária de alimentos com flavonoides e seus produtos derivados diminui o risco dos seguintes tipos de tumores: mama, pulmão, próstata, pâncreas e cólon (18)
Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: esses procedimentos terapêuticos tem a função de eliminar as células tumorais através das alterações metabólicas decorrentes dos subprodutos da quimioterapia e da radioterapia e da alta concentração de radicais livres. Essas alterações atingem também as células normais, de tal forma que a ação protetiva antioxidante advinda principalmente dos flavonoides, auxiliam essas células a se recuperarem e se tornarem resistentes aos desequilíbrios metabólicos (2).

4 – Maçã, tomate, batata, fava, abobrinha, rabanete e chicória
Ações naturais de proteção ao organismo: esses alimentos são ricos em quercitina e kaempferol, que são tipos específicos de flavonoides. Como foi descrito acima, os flavonoides, por terem ações antioxidantes, induzem a morte de células quando estas apresentam altas concentrações de radicais livres, fato comum entre as tumorais (18). Especificamente a quercitina e kaempferol são substâncias que atacam produtos tóxicos provenientes de óxidos de nitrogênio (NOx), composto químico comum em focos inflamatórios e que indiretamente prejudica a ação das células de defesas imunológica. Pelo fato da maioria dos tumores causarem inflamações na regiões onde se desenvolvem, a decomposição das diversas formas de óxidos de nitrogênio facilita o desempenho biológico das células de defesas imunológicas (19).
Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: esses procedimento terapêuticos causam a desestabilização química das células tumorais e, em menor grau, das células normais, com geração de radicais livres proporcional ao grau de desestabilização. Como os flavonoides tem ação antioxidante, seus efeitos são mais eficazes nas células normais intoxicadas pela quimioterapia ou pela radioterapia. As células tumorais, entretanto, por morrerem pelos efeitos dessas terapias, não utilizam os flavonoides para se recuperarem, fato que beneficia as células normais afetadas pelos produtos provenientes dos tratamentos acima mencionados (2).

5 – Chás, chocolate amargo, uva e açafrão
Ações naturais de proteção ao organismo: são ricos em polifenóis, que são compostos químicos que ao entrarem em contato com as células estimulam reações químicas que participam do metabolismo celular. Em chás verde e branco, por exemplo, os polifenóis mais comuns são as catequinas que fornecem subprodutos para sínteses de interleucinas ou citocinas que sinalizam as células de defesa imunológica atuarem na dissipação de focos inflamatórios. Desse modo, como a maioria dos tumores malignos primários se desenvolvem associados a processos inflamatórios, a ação anti-inflamatória dos chás auxiliam os mecanismos imunológicos de proteção contra o desenvolvimento do tumor (20).
Os chocolates amargos, uvas tintas e açafrão são ricos em resveratrol, substância química que auxilia a eliminação de radicais livres liberados pelas células tumorais e que são prejudiciais às células normais, principalmente àquelas próximas ao tumor, protegendo-as e diminuindo a possibilidade de que ocorra a expansão tumoral (21).
Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: polifenóis e resveratrol protegem as células normais contra os radicais livres, quer sejam os provenientes diretamente da quimioterapia e da radioterapia, ou daqueles liberados pelas células tumorais mortas.

6 – Morango, amora, framboesa, noz e castanha
Ações naturais de proteção ao organismo: são ricos em alguns tipos de polifenóis, tais como os ácidos cafeíco, ferúlico e elágico. O ácido cafeíco é um composto químico que atua na ativação energética das células normais, evitando a fadiga e a perda de peso, que são situações clínicas frequentes em pessoas com câncer. O ácido cafeíco e a cafeína também tem específica ação anticâncer por inibirem receptores de estrogênio em mulheres com câncer de mama, tornando mais efetivo, inclusive, a ação do quimioterápico tamoxifeno na inibição da divisão das células tumorais (22).
O ácido ferúlico, por sua vez, tem ação anti-inflamatória e antitrombótica, além de outros benefícios biológicos que atuam na proteção cardíaca e vascular, bem como nos processos biológicos de contenção da expansão tumoral. Por fim, o ácido elágico está relacionado com a sinalização celular que estimula a morte das células tumorais (23).
Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: os benefícios advindos da ativação energética, anti-fadiga, perda de peso e anti-inflamatória, situações comuns decorrentes da quimioterapia e radioterapia, são os atributos oferecidos por esses alimentos para auxiliar na recuperação do organismo (2).

7 – Cereais e grãos: soja, milho e sementes
Ações naturais de proteção ao organismo: esses alimentos tem um tipo de flavonóide conhecido por isoflavonas que possuem estruturas químicas similares ao hormônio estrogênio humano. Por essa razão, esses alimentos são recomendados na menopausa com o objetivo de diminuir os efeitos adversos causados pela queda de estrogênio. Entre os componentes de isoflavona sobressai a genisteina, cuja configuração química permite que se encaixe no receptáculo da proteína tirosina-quinase (TK) envolvida na sinalização celular estimuladora da angiogênese. Vários tipos de câncer, incluindo a leucemia mielóide crônica, tem origem através do descontrole da proteína TK. Admite-se, portanto, que a genisteina ao se encaixar no receptáculo de TK das células normais que se tornaram tumorais, podem bloquear a sinalização da angiogênese, evitando que novos vasos sanguíneos alcancem a célula tumoral para alimenta-las, bloqueando inclusive a metástase (24).
Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: a genisteina aumenta o efeito terapêutico dos seguintes quimioterápicos: cisplatina, docetaxel, doxorubicina, gemcitabina, tamoxifeno, vincristina e ciclofosfamida. A combinação de genisteina e radioterapia aumenta os efeitos contra a proliferação de células tumorais (25).

8 – Vegetais e frutas de cor laranja
Ações naturais de proteção ao organismo: possuem em sua composição altas concentrações de alfa e beta caroteno, substâncias químicas que ativam as enzimas antioxidantes e o desempenho das células de defesa do sistema imunológico (26, 27). Entre os alimentos de cor laranja destacam-se:
a) laranja: rica em vitamina C e ações antioxidantes que protegem o citoplasma das células normais contra os radicais livres liberados pelas células tumorais;
b) tangerina: rica em vitamina C, potássio e fósforo. O potássio, em particular, auxilia no controle da pressão sanguínea. O fósforo, por sua vez, minimiza os efeitos da fraqueza, situação comum em pessoas com câncer;
c) caju: rico em vitaminas C, complexo B e E, e fibras. A vitamina E é um antioxidante que protege a membrana das células contra o ataque de radicais livres liberados pelas células tumorais, bem como os provenientes dos subprodutos da quimioterapia e radioterapia;
d) mamão papaia: rico em beta caroteno e em papaína. O beta caroteno ativa as enzimas celulares antioxidantes e no fígado é transformado em vitamina A. A papaína auxilia a digestão de alimentos pelas células da mucosa gástrica, geralmente lesadas pelos subprodutos da quimioterapia;
e) manga: rica em beta caroteno e vitamina E, cujos benefícios foram descritos acima;
f) caqui: é um alimento com muitos benefícios para o desempenho metabólico, principalmente para pessoas com câncer. Contém vitaminas A, B1, B2 e E, além de cálcio, ferro, proteínas e fibras.
g) damasco: é o alimento mais completo entre os de cor laranja. Contém vitaminas A, C, K, B3, B9, B5, magnésio, potássio, fósforo, ferro e fibras.
h) cenoura: contém altas concentrações de vitamina A e fibras. Especificamente a vitamina A, proveniente do beta caroteno, auxilia o fígado na eliminação de toxinas, principalmente as provenientes de células tumorais eliminadas pela quimioterapia e radioterapia.
i) abóbora: rica em beta caroteno. Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: todas as propriedades nutritivas acima apresentadas atuam de formas direta ou indireta na remoção de radicais livres gerados por esses procedimentos terapêuticos.

9 – Tomate, melancia e goiaba
Ações naturais de proteção ao organismo: esses alimentos contém um produto derivado do caroteno conhecido por licopeno com importante ação antioxidante. Tomate e melancia são os mais ricos em licopeno, e a melancia, em particular, é rica em vitaminas A, B e C, além de sais minerais para hidratação. A goiaba é rica em vitamina C, flavonoides e carotenoides, e a goiabeira, em particular, é uma planta com propriedades medicinais (26). O chá de folhas de goiabeira é indicado para conter diarreias, minimizar efeitos da dor de garganta, vômitos e náuseas (28). Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: atuam principalmente na remoção de radicais livres gerados por esses tipos de procedimentos terapêuticos. O chá das folhas de goiabeira auxilia nos desconfortos orgânicos causados por esses tratamentos.

10-Chá preto, café, cacau e guaraná
Ações naturais de proteção ao organismo: esses alimentos são abundantes em metilxantinas, que derivam para substâncias conhecidas por cafeína, teofilina e teobromina. A cafeína atua na ativação energética das células normais por meio da indução da vasodilatação periférica. Por essa razão, a cafeína promove a sensação de bem estar e evita a fadiga (22).
A teofilina, por sua vez, estimula a sinalização celular no reparo de proteínas, especialmente quando a célula sofre a agressão de radicais livres contra suas membranas através da lipoperoxidação. A teobromina, por fim, atua na vasodilatação periférica, além de auxiliar na diurese (29).
É importante enfatizar que cafeína, teofilina e teobromina são biologicamente eficazes em doses pequenas, por exemplo, uma xícara pequena de café contém 50 miligramas de cafeína. Em doses maiores, por exemplo, cinco ou mais xícaras pequenas de café, por dia, podem causar danos à saúde.
Ações protetivas contra os efeitos da quimioterapia e radioterapia: atuam na ação anti-fadiga e antidepressiva, situações que podem ocorrer na sequência dos tratamentos de quimioterapia e radioterapia.

Conclusão
Cerca de 30% de todos os tipos de câncer e 70% dos cânceres no trato gastro-intestinal estão associados à alimentos não saudáveis, notadamente gorduras trans e saturadas, e às nitrosaminas provenientes do sal grosso e conservantes alimentares. O álcool, por sua vez, está associado aos cânceres do trato gastro-intestinal, fígado, mama e ovário, devido às agressões tóxicas do acetaldeido, que o seu principal metabólito (30). É evidente que muitos usuários de de alimentos não saudáveis e de alcool também são obesos, e a obesidade potencializa a possibilidade do surgimento de tumores malignos e, consequentemente, de câncer. Os alimentos com nutrientes que protegem as células contra as diversas formas de agressões tóxicas, por sua vez, minimizam a possibilidade de células normais se transformarem em tumorais. Por fim, pessoas com câncer, submetidas à quimioterapia à e radioterapia podem ser beneficiadas com alimentos saudáveis. Alimentos tidos como saudáveis, por conter determinados nutrientes, atuam na proteção das células normais, uma vez que as exigências metabólicas para suportarem as agressões tóxicas desses tipos de tratamentos, as tornam susceptíveis a alterações biológicas.

Referências
1- Sugimura T. Nutrition and dietary carcinogens. Carcinogenesis, 21: 387-395, 2000. 2- Gomes R.; Moura R.F. Nutrição e Câncer. In: Prevenção do Câncer. Editora Manole Ltda., p: 363-374, 2010. 3- McLeod H.L. Cancer pharmacogenomics: early promise, but concerned effort needed. Science, 339: 1563-1566, 2013. 4- Suvà M.L.; Riggi N.; Berstein B.E. Epigenetic reprogramming in cancer. Science, 339: 1567-1570, 2013. 5- Naoum P.C. Interfaces celular, molecular, imunológica e terapêutica do câncer. Laes&Haes, 213: 74-96, 2015. 6- Hill M.J.; Hawksworth G.; Tattersall G. Bacteria, nitrosamines and cancer of the stomach. Br J Cancer, 28: 562-567, 1973. 7- Larsson S.C.; Bergkvist L.; Wolk A. Processed meat consumption dietary nitrosamines and stomach cancer risk in a cohort of Swedish women. Int J Cancer, 119: 915-1919, 2006.
8- Fritz W.; Soós K. Smoked food and cancer. Bibl Nutr Dieta, 29: 57-64, 1980. 9- Roos A.J. et al. Cancer incidence among glycophosate-exposed pesticide applicators in the agricultureal health study. Environmental Health Perspectives, 113: 49-54, 2005. 10- Valko M. et al. Free radicals, metals and antioxidants in oxidative stressinduced cancer. Chemico-Biological Interaction, 160: 1-40, 2006. 11- Willet W.C. Vitamin A and lung cancer. Nutr Rev, 48: 201-211, 1990. 12- Vicenti M. et al. Selenium for preventing cancer. Cochrane Database Syst Rev, mar 30; 3: CD005195, 2014. 13- Li Y.; Zhang T. Targeting cancer stem cells with sulphoraphane, a dietary componente from broccoli and broccoli sprouts. Future Oncol, 9: 1097-1103, 2013. 14- Hayes J.D.; Kelleher M.O.; Eggleston I.M. The cancer chemopreventive actions of phytochemicals derived from glucosinolates. European Journal of Nutrition, 47: 73-88, 2008. 15- Steibmertz K.A.; Potter J.D. Vegetable, fruit, and cancer prevention. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, 96: 1027-1039, 1996. 16- Rodrigues-Antona C.; Ingelman-Sundberg M. Cytochrome P450 pharmacogenetics and cancer. Oncogene, 25: 1679-1691, 2006. 17- Huang M.; Lu J.J.; Huang M.Q. Terpenoids: natural products for cancer therapy. Expert Opin Investig Drugs, 21: 1801-1808, 2012. 18- Romagnolo D.F.; Selmin O.L. Flavonoids and cancer prevention: a review of the evidence. J Nutr Gerontol Geriatr, 31: 206-238, 2012. 19- Physicians Committee for responsible medicine. Foods for cancer prevention. http://www.pcrm.org/health-topics/foods-for-cancer-prevention 20- Leifert W.R.; Abeywardena M.Y. Grape seed and red wine polyphenol extracts inhibit cellular cholesterol uptake, cell proliferation and 5-lipoxigenase activity. Nutrition Research, 28: 842-850, 2008. 21- Lastra C.A.; Villegas I. Resveratrol as an antioxidant and pro-oxidant: mechanism and clinical implications. Biochemical Society Transactions, 35: 1156-1160, 2007. 22- Rosendahl A.H. et al. Caffeine and caffeic acid inhibit growth and modify estrogen receptor and insuline-like growth factor I receptor levels in human breast cancer. Clin Cancer Res, 21: 1877-1887, 2015. 23- Zhang H.M.; Zaho L.; Hao L. Research progress in the anticarcinogenic actions and mechanisms of ellagic acid. Cancer Biol Med, 11: 92-100, 2014. 24- Pavese J.M.; Farmer R.L.; Bergan R.C. Inhibition of cancer cell invasion and metastasis by genistein. Cancer Metastasis Rev, 29: 465-482, 2010. 25- Khoshyomn S.; Manske G.C.; Lew S.M. Synergistic action of genistein and cisplatine on growth inhibition and cytotoxity of human medulloblastoma cells. Pediatr Neurosurg, 33: 123-131, 2000. 26- Thun M.J. Vitamin C and vitamin E supplement use and bladder cancer motarlity in large cohort of US men and women. Am J Epiemiol, 156: 1002-1010, 2002. 27- Druene-Pecollo N.; Latino- Martel P.; Hercberg S. Beta carotene supplementation and cancer risk: a systematic review and metaanalysis of randomized controlled trials. Int J Cancer, 127: 172-184, 2010.
28- Gonçalves F.A. et al. Antibacterial activity of guava (Psidium guajava Linnaeus)leaf extracts ondiaddhea-causing enteric bactéria isolated from seabob shrimp. Rev Int Med Trop Sao Paulo, 50: 11-15, 2008. 29- Slotkin T.A.; Seidler F.J. Antimitotic and cytotoxic effects of theophyline in MDA-MB-231 human breast cancer cells. Breast Cancer Res Treat, 64: 259-267, 2000.

adminNutrientes Anticâncer